Publicidade
ATENÇÃO SR(s) INTERNAUTAS
Este site acompanha casos policiais. Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove o contrário. Recomenda-se ao leitor critério ao analisar as reportagens.

JI-PARANÁ - TRÂNSITO

MENINA QUE SOBREVIVEU A COLISÃO FATAL AINDA NÃO SABE DA MORTE DOS FAMILIARES

Depois de perder a filha, o neto e o genro em uma colisão entre carros, Madalena Paulino de Santana falou sobre a expectativa de recuperação da neta, Karoline Paulino de Santana, a única sobrevivente do acidente que vitimou 5 pessoas em Ji-Paraná - RO, no fim de semana. Segundo Madalena, a menina de 8 anos não sabe da morte dos pais e irmão, e já está perguntando quando eles irão vê-la no hospital.

A avó conta que recebeu a notícia do acidente através do pai de uma vizinha da filha dela.  Ela contou que o sentimento de uma mãe enterrar o filho não tem explicação.

“É dolorido demais enterrar a família da filha quase inteira. Não tem explicação, é um sentimento que deixa sem palavra”, afirma Madalena.

O enterro dos corpos da filha, neto e genro aconteceu ainda no final da tarde de segunda-feira (09), porém a luta da família agora continua pela sobrevivência e saúde de Karoline, de 8 anos.

Ainda em Ji-Paraná, no dia do acidente, a menina passou por uma cirurgia para a retirada do baço e foi transferida para o hospital João Paulo II em Porto Velho.

Na tarde de segunda-feira, a garota foi transferida para o Hospital Cosme e Damião, onde está internada na Unidade intensiva de Tratamento (UTI). Ela fez uma drenagem no pulmão para a retirada de um liquido acumulado.

Segundo a avó, a criança ainda precisa fazer duas cirurgias para reconstrução da uretra e também da bacia, que quebrou durante o acidente.

Segundo a avó, a menina não apresenta danos neurológicos, mas Karoline ainda não sabe do falecimento do pai, mãe e irmão, e está recebendo atendimento psicológico por medida de segurança.

“Ela já foi apelidada como a menina do ‘porquê’. A cabecinha dela já está maquinando as coisas, o como e o por que dos pais e o irmãozinho ainda não terem ido vê-la. A psicóloga está acompanhando. Hoje ela já está melhor, estável”, afirma avó.

 

Fonte: G1/RO

Comentários